Publicado em 4 comentários

Sobre Deficiência e Humanidade

Deficiência e Humanidade - Dia 21 de setembro

O porquê do Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência tem a ver com a construção de caminhos inclusivos para quem, até bem pouco tempo atrás, ficou à margem da sociedade é o assunto deste post.

Na verdade, sabemos que a perfeição não existe, mas a busca por ela parece uma saga da humanidade. No entanto, se imperfeições físicas e morais são ingredientes humanos, por que as falhas nos incomodam tanto?

Como lidar com a deficiência sem receio

Vamos entender por que o convívio ou, melhor dizendo, a inclusão social nos ajuda a superar as diferenças e a enxergar [sem receios] a carência do outro.

Por vezes nos vemos diante de uma pessoa com deficiência e não encontramos a forma mais adequada para interagir com ela. Explicando melhor, a diferença pode trazer desconforto ou algum tipo de embaraço na hora da abordagem. E por que isso ainda ocorre?

Podemos encontrar a falta de convívio como uma possível causa, já que a notoriedade para grupos atípicos é fato ainda recente na sociedade. Haja vista que há bem pouco tempo a pessoa com deficiência intelectual, por exemplo, era considerada incapaz.

Vejamos um exemplo corriqueiro: a princípio podemos não saber como agir ao notarmos uma pessoa com deficiência visual e que tenta atravessar uma rua movimentada, sem semáforo. Então, surgem inquietações do tipo: como abordar; segurar ou não o braço; enfim, o que e como fazer? Diante da incerteza, podemos seguir adiante e não oferecer o auxílio que pretendíamos realizar.

Por que isso acontece? Porque a inclusão social da pessoa com deficiência é ainda algo novo para a grande maioria das pessoas. Daí a importância de incentivarmos o convívio nas escolas, empresas e locais públicos de um modo geral.

A APOIE e a Inclusão Social

Neste ano, precisamente no dia 20 de novembro de 2023, completaremos 44 anos de fundação. Se a data de 21 de setembro foi instituída por meio da Lei Federal 11.133 de 2005 como o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, perceba o quão recente, apenas 18 anos, é o empenho para que a inclusão seja vista e aceita pela sociedade.

Desde 1979 caminhamos por esta estrada e podemos afirmar que o trajeto não foi e nem é fácil até o presente momento. Mas continuamos na luta e buscando sempre o aprimoramento e o bem-estar do nosso público.

Se a nossa razão de existir e foco é incluir e oferecer o melhor para o desenvolvimento da pessoa com deficiência intelectual, neste dia 21 de setembro não podemos deixar de saldar a Luta por todos aqueles que enfrentam obstáculos, devido às suas necessidades especiais.

A luta não só é justa, como necessária, assim como o seu engajamento pela causa!

Publicado em 17 comentários

Festa Junina 2023

Festa Junina 2023 APOIE & Castelã

Festa Junina já é um acontecimento por si só, mas a nossa foi tão bonita, tão alegre, tão tudo de bão, que não dá para não falar dela.

Se você veio, que bom! Se não, venha na próxima.

Mas, o que será que ela trouxe além de tudo o que uma festa como essa pode oferecer? Ah, lógico que teve muita música, o tradicional bingo, paçoca, arroz doce, canjica, milho verde, churrasco, quentão e vinho quente! No entanto, muito mais nos foi oferecido e é justamente sobre isso que vamos falar.

O que foi que aconteceu na Festa Junina Apoie & Castelã?

O tempo do senhor Tempo

Sabe aqueles momentos que ficam marcados na memória da gente para sempre? Pois bem, a Festa Junina 2023 entrou para o livro das grandes recordações da APOIE que, aliada aos parceiros do Castelã, fez da Festa uma celebração muito especial, já que era primordial a aliança com um certo Senhor.

Na Festa Junina inauguramos a nossa tão sonhada quadra, que, no entanto, ainda fica a céu aberto, ao sabor das vaidades do Tempo e das mãos de São Pedro.

Teve de tudo e um pouco mais…. “Olha pro céu meu amô, vê como ele tá lindo…”

Então, foi exatamente assim! O tempo do senhor Tempo foi um tempero a mais. Foi o ingrediente que azeitou o domingo, tornando-o tão especial, mas tão especial, que só faltou o próprio São Pedro para também tirar uma fotografia atrás das janelinhas do nosso painel de fotos.

A semana começou com uma chuva intensa e um frio de gelar os ossos. Sendo assim, tanto a temperatura gélida, quanto o aguaceiro nos faziam olhar para o céu e pedir para que o Tempo fosse mais camarada com a gente.

Será que até o sábado, véspera da nossa Festa Junina, o sol iria se apresentar como nosso aliado e protagonista da festa? Afinal, precisávamos de tempo para arrumar tudo o que havíamos planejado!

O trabalho da oficina

Bem, quase todo mundo que veio à nossa Festa Junina sabe que temos aqui mãos pra lá de especiais. Temos também gente muito qualificada comandando a turma e fazendo “di um tudo” para que a APOIE seja o que é! Ou seja, um lugar onde é possível embarcar na cápsula da felicidade.

Foram semanas de preparativos para que cada girassol florecesse… Eles adornaram o gradil e as mesas, com flores de todos os tamanhos e com um perfume jamais sentido aqui na Terra. Aliás, em nosso planeta não temos plantas e arranjos como os que vimos por aqui neste dia.

As árvores da praça ao lado trouxeram um colorido a mais para a paisagem e o brilho do sol, o azul do céu, a energia de tanta gente boa, que se uniu à nossa boa gente; enfim, tudo isso que já não é pouco, associado ao que a gente não consegue ver (…) tornou a Festa Junina 2023 um momento especial.

Então, bora agradecer a todo mundo que veio, seja para trabalhar, para brincar ou mesmo para nos conhecer.

Já para o senhor Tempo e para São Pedro a nossa imensa gratidão.

Inté a próxima!

Publicado em 7 comentários

Mãe , gigante pela própria natureza

Mãe, gigante revestido de mulher.

Mãe, gigante ultrapassa margens, espaço, cobertura. Imensidão não se mede, se contempla apenas. Sagrada é a figura, terreno o ser. Lamento dizer que a escrita não vem de nenhuma inteligência artificial (IA), pois que por trás das palavras há muita humanidade.

És bela, és forte, impávido colosso

Impávido colosso porque sina e coragem são tuas guias, destino, fascínio, missão. Quantas vírgulas não caberiam ainda na tentativa de significar mãe.

A gramática pode até ajudar na escolha das palavras, conectivos, pontuação. Mas eis que o coração atrapalha, ultrapassa e invariavelmente exagera.

Por acaso conhece amor com medida? A receita da dose certa ou mesmo exata deve ter se perdido no tempo e espaço, já que ninguém ainda a encontrou.

Mas eis que além de mãe, a mulher é filha e também humana. Ela não é artificial… Infinita na medida do amor, finita em verdades, embora seus conselhos sejam sempre acompanhados das melhores intenções.

Certamente sabe que as mães guardam consigo os ensinamentos que a vida lhe deu. A experiência aliada ao carinho lhe resguardam do assombro da má fé.

A singularidade de toda mãe

Apesar de toda mãe ter um conhecido arsenal de recomendações infalíveis ou mesmo idênticas (rss), cada uma tem o seu tom, a sua vibração. A voz da mãe ninguém esquece, permanece para sempre.

O “sempre” acompanha todo filho e toda mãe. Em todo instante, por uma vida inteira, mesmo que de longe o pensamento estreita a distância, esvanece.

Se tem vida carrega consigo o sangue, a luta e a lida de uma mãe. Nem que pelo tempo da gestação, nem que ainda não tenha se dado conta disso, ela está aí, com você, em você.

Então, para não alongar muito o post e as palavras, na tentativa vã de engrandecer a maternidade sem tornar o conteúdo prolixo (apesar de que muitas vezes já sentiu na pele o quão prolixa sua mãe foi ou é (rss), falando e repetindo o que você acha que já sabe…) damos fim as palavras.

Obrigado pela vida!

Publicado em 7 comentários

8M – Dia Internacional da Mulher

8M - Dia Internacional da Mulher

8M, oito de Março, o Dia Internacional da Mulher. Maria precisa de um dia…

Guerreira, Maria sustenta a família e se frágil parece, perene é a fibra que o gene esconde e a gente enaltece.

8M, data de Março que marca a Mulher; não como gado, mas no mormaço da brandura que tatua cada Maria.

O dia da Maria

Maria é mãe da vida, do Divino, de tantas Marias, de muito João. Não que seja novidade, mas é bom lembrar que sem Maria não tem estação, que sem Maria a existência termina como cinzas no chão.

Se das cinzas renasce a fênix, do seu ventre o ciclo da vida, porque noite e dia Maria trabalha; porque de hora em hora Maria cuida, Maria olha, Maria não cansa.

8M, oito de Março, o Dia Internacional da Mulher. Maria ainda precisa de um dia…

Traz na essência a dualidade! Remanso e conflito; fragilidade e bravura; razão e emoção. Tudo ao mesmo tempo agora é capaz de fazer a Maria.

Todo dia é dia de Maria.

A mulher que vive em Maria

Transcende mulher o que vive em Maria. Maria é pai, Maria é mãe, Maria é regra, Maria é espinho; o feminino e o masculino, a casa e o caminho.

Maria amanhece na lida, é o preparo do pão, da comida; não espera jamais. O mais tarde não tem chance com Maria. Mesmo que sozinha Maria vai à luta, mesmo que sem preparo, mesmo que sem ajuda, mesmo que sem força… o vigor, Maria acha pelo caminho!

Maria cansou de esperar.

Maria segue em frente até onde sua vista alcança e mira longe a Maria, tão longe que um dia não precisará mais de Dia, “Dia Internacional da Mulher.”

Mas Maria gosta de flor, Maria gosta de perfume, Maria gosta de chamego, Maria gosta de gostar.

Maria quer carinho, Maria quer atenção, Maria quer tudo, porque Maria gosta de querer.

8M – Dia da Maria

Se hoje é o dia da Maria e se toda Maria recebe pelas ruas hoje, felicitações pelo seu dia; então a gente deixa o nosso carinho para todas as Marias da APOIE [olha que são muitas!]; para as Marias de toda raça e de toda cor; para as Marias dos castelos, das favelas e das ruas; para as Marias alegres e também para as tristes Marias; para as Marias que carregam novidade no ventre e para as Marias que cumpriram sua missão e que estão indo para o outro lado da vida.

Feliz seu dia, Maria!

Publicado em 4 comentários

Dicas para o sucesso

Dicas para o sucesso

Se você procura dicas para o sucesso saiba que temos algumas para te dar. É mais do que certo que nada cai do céu, embora muita gente fique esperando que a sorte comande a sua vida, oferecendo conquistas sem nenhum esforço pessoal.

Ora, se tudo fosse tão fácil assim, qual seria a graça de existir? Também é certo que nem tanto ao mar e nem tanto à terra desejamos viver e que um tanto de sossego é bom demais, mas a falta de desafios emburrece e desestimula qualquer pessoa.

Será? O papo é bom e merece atenção.

3 dicas para alcançar o sucesso

Selecionamos 3 dicas para que você reflita sobre a possibilidade de ir à luta pelo que sonha e que talvez se imagine sem chances de conquistar.

  1. Tenha coragem – A bravura de buscar o acerto mesmo sabendo da inexorável possibilidade do erro. Aliás [nos tomando como exemplo], sem a valentia de sonhar alto e arregaçar as mangas não completaríamos 44 anos de fundação!
  2. Faça você mesmo – Esta talvez seja a melhor das dicas, porque saborear o sucesso alheio não é tão incrível quanto degustar a sua própria conquista. Tenha sempre em mente que a vida nos pede ação, embora a inação não deixe de ser uma escolha para muitos.
  3. Persevere – Não desista diante do primeiro impedimento e… nem do segundo ou mesmo do terceiro. A garra de perseguir a meta até se extinguir alguma chance de realizá-la é fundamental, já que nada nos chega sem um bom combate.

Energía y otras cositas mas

Por que não usar o nosso lindo e velho português para o título? A intenção é trazer o diferente, sair do lugar comum e chamar a sua atenção. (rss)

Seguindo na mesmice a gente não consegue mudar o pensamento e para alcançar o sucesso é fundamental a quebra de paradigmas, bem como o uso da criatividade.

Certamente quem nos acompanha já leu nossos posts e ficou por dentro do empenho e poder de transformação da APOIE na luta por superar a pandemia do Covid 19.

Então, vem daí o destaque para a energia que o título em espanhol buscou chamar a sua atenção. Afinal, dá para conquistar o sucesso sem energia? É claro que não! No entanto, de que “otras cositas mas” nos referimos?

Podemos afirmar que se não tivéssemos aguçado nossos sentidos na busca por soluções alternativas de contato e interação com a nossa turma, talvez não estivéssemos mais aqui. Inclusive, “o que” e “de que maneira” oferecer algo que cada um do grupo pudesse fazer de sua casa e que tivesse sentido, que trouxesse crescimento ou algum benefício eram os nossos grandes desafios!

Muitas instituições fecharam e se hoje permanecemos atuando junto a pessoa com deficiência intelectual é porque efetivamente lutamos com muita energia e criatividade para que isso acontecesse.

Não existe sucesso sem luta, assim como não se resiste as tormentas sem um bom suporte. Uma casa sem alicerce sucumbe diante da adversidade; para isso contamos também com a presidência, timão e farol da nossa embarcação.

Por fim, como “cositas mas” chamamos a atenção para o planejamento, porque sem ele não se chega a lugar algum e, se conseguir algo, será com grande esforço. Bom mesmo é guardar energia para o que realmente importa, não é mesmo?

Publicado em 2 comentários

Alegria, alegria! Hoje é baile de carnaval!

Alegria, alegria! É carnaval

A alegria escapa afoita neste mês de fevereiro e fazia tempo que não soprava apraz.

Tanto faz se tem fantasia, máscara, colar havaiano ou cocar; tanto faz, tanto faz. Agora o riso não falha e a alegria não tarda porque é carnaval.

Por que brincar?

Porque não há nada melhor do que trazer um tanto de brincadeira para a rotina. E também porque a vida fica chata quando a gente não encontra tempo pra se divertir.

Tudo tem sua hora e jogar folia fora é como recarregar uma pilha. Então, entre frevo, forró ou xote, a gente cai no suor da festa mais animada do ano.

E que delícia escutar as vozes, cantorias e risadas; por vezes gargalhadas por conta do movimento, do colorido, das brincadeiras sem fronteiras no que tange diversão com respeito e arte. Porque é parte da missão o bem estar da nossa gente, que sente muita alegria numa festa como essa!

Alegria – A maior das terapias

Você pode até não fazer parte do bloco dos grandes carnavalescos de plantão, inclusive nem precisa ter o talento de um Joãozinho Trinta; mas que já deu uma espiadinha nos desfiles de escola de samba do sambódromo do Rio de Janeiro, ah… isso certamente já deu, não é mesmo?

Então, o que chama a atenção nesta época do ano? Com certeza a alegria, sentimento de satisfação onde a energia, o entusiasmo e até a euforia fazem parte do acontecimento.

Sendo assim, a gente valoriza o alegre movimento desta festa popular e caímos no samba, na roda e na marcha do carnaval!

Uma história triunfante se constrói com dedicação, amor e credibilidade e a alegria é a pitada que não pode faltar em nenhuma receita de sucesso!

Bora brincar no carnaval, porque da vida o que a gente leva são os bons momentos!

Publicado em 2 comentários

Desafios – fugir ou encarar?

Desafios - como superar

Quem gosta de desafios? Normalmente a maioria busca distância deles, mas isso não é uma boa alternativa. Certamente que escolher encará-los de frente é a melhor opção.

Mas por que elegemos para o primeiro post deste ano o tema desafios? Porque certamente não há como escapar deles.

Como enfrentar os desafios

Fórmulas mágicas para o enfrentamento de desafios não existem, já que o “como” seguir em frente diante dos obstáculos é uma decisão extremamente singular. No entanto, cabe a consciência de que ignorá-los não é uma boa escolha.

Há uma regra infalível que pode ajudar muito na solução de qualquer problema. Primeiramente, desafios pedem um plano para melhor superá-los; mesmo porque, nem todos possuem as mesmas ferramentas para seguir adiante com a missão.

Aqui na APOIE a nossa grande tarefa é encontrar instrumentos para que cada um da turma possa desempenhar a sua função da melhor maneira possível. Primeiro diagnosticamos as aptidões individuais, para então verificarmos a melhor estratégia de trabalho.

Uma pedra no caminho

Imagine-se caminhando por uma estrada e, eis que de repente surge uma pedra gigantesca; você para, desiste, dá meia volta e vai embora. Ora, esta escolha seria uma grande tolice, não é mesmo?

Ah, então de forma reativa, você busca uma picareta e começa, exaustivamente, a quebrar a pedra! Pode ser uma solução, mas levaria dias, quem sabe meses ou até anos para concluir a ação; também seria uma tola escolha.

Mas, com calma e observando melhor, você percebe que existe um jeito de contornar aquela pedra e seguir em frente. Aí sim! Esta é a opção mais adequada e que exige menor tempo e esforço.

Aonde queremos chegar com essa história de caminho, pedra e desafios?

Desafios da pessoa com deficiência intelectual

Se entrar no Instagram da APOIE, talvez tenha perguntas do tipo: “Quem produz ?”; “Como eles confeccionam os produtos”?

Voltemos ao tema superação de desafios e aos possíveis limites que qualquer deficiência traz e, mais especificamente no caso da APOIE. Se recebemos a encomenda para um determinado tipo de produto e a recusamos por nos sentirmos incapazes de aceitá-la [como faria aquela pessoa que diante da pedra no caminho deu meia volta e se intimidou] hoje não seríamos quem somos!

Talvez a pessoa com deficiência intelectual colecione mais desafios pela frente, mas a nossa função é distribuir ferramentas para que ela possa superá-los.

Todos da nossa turma são capazes de fazer tudo? Evidente que não! Um único produto passa por uma linha de produção que envolve muitas mãos. Além disso, buscamos que cada um contorne a sua própria pedra da melhor maneira possível.

Como? Vamos lá, vejamos 2 exemplos:

  • Não sabe contar mas precisa separar as folhas internas do miolo de um bloco? Disponibilizamos gabarito.
  • Não memoriza os passos para confeccionar uma nova peça no tear de prego? Pintamos os pregos do tear com cores diferentes para que saiba por onde passar com o fio do novelo de lã.

Desafios & Oportunidades

Para concluir, não se desespere diante do novo ou de uma pedra no caminho, entenda que desafios são frequentes no decorrer da vida e isso é tão certo quanto o nascer do dia após a noite.

Pensando assim, que 2023 tenha a abundância de desafios promissores e que tenhamos a calma necessária para melhor superá-los.

Bem-vindo 2023!

Publicado em 6 comentários

Feliz – Cantar e cantar e cantar

Lá no alto da Fábio Prado, avenida do Klabin

Tem gente de tamanha sorte

Que na sua grandeza, temperança e porte

Caminha valente até os confins.

Cá pra nós que os conhecemos

De tantos campos que já pisaram

Das pedras nasceram flores e dos frutos de mil sabores

O riso é iguaria principal.

Dito isso, versar palavras é o nosso fim

E assim cantamos que a vida

Mesmo que por vezes sofrida

É bonita, é bonita e é bonita.

Como em versos do Gonzaguinha

E já que dele emprestamos a fala

Cala fundo e canta alto

Não ter a vergonha de ser feliz.

Aprendiz da vida, cada qual carrega

Sina, glória, perda e ganho

Tamanho é o sabor da luta

Que não entrega, enfrenta e agrega.

Amontoa luz, ajunta crescimento

Pois do lamento vai à luta

Funda e forte bate o chão, aterra

E transforma trigo em pão.

Cadê o post, o texto final, a mensagem de Natal?

Hoje nós vamos versar no tom da nossa gente, que alegre dança e não mede a folia.

Resta então seguir assim: Procurando a felicidade nas horinhas de descuido, como nos disse o grande Guimarães Rosa!

Mas já que cantar e dançar é a alegria dos nossos, voltemos ao Gonzaguinha para deixarmos aqui o nosso conselho para 2023: “Cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz.”

Feliz Natal!

Feliz 2023!https://apoie.org.br/produto/danca-solta-momentos-de-alegria-e-descontracao/

Publicado em 12 comentários

Como enfrentar o inesperado

Como enfrentar o inesperado quando ele chega até nós

Eis que de repente surge na sua trajetória algo que você supunha jamais vivenciar… Como enfrentar o inesperado? Certamente que não é colocando as mãos em desespero na cabeça e deixando o barco correr à deriva.

É claro que precisamos de um tempo para assimilar os impactos que a vida nos traz. Aliás, ninguém há de querer que o enfrentamento do que fuja ao ocasional seja de bate pronto. O tempo de cada um é único e precisamos respeitar.

Qual o melhor caminho?

Voltamos a trazer a indagação que é o tema central deste post: Como enfrentar o inesperado? Mas, de qual imprevisto nos referimos aqui? Enfim, pela própria razão existencial da APOIE, falamos do nascimento de um filho diferente e que não cresce ou responde aos estímulos diários no mesmo tempo e da mesma forma que as outras crianças da sua faixa etária.

Diante da dúvida sobre a evolução “fora do padrão” da criança, a primeira ação não deve ser trocar what’s app com as amigas, parentes ou seja lá quem for [que não seja da área da saúde]. Consulte um médico! Essa é a única atitude correta e entenda que talvez necessite buscar vários profissionais até fechar uma identificação confiável.

E depois, o que fazer? Bem, diante do diagnóstico e passado o impacto da notícia, com a assimilação do que ela trouxe consigo [novamente lembrando que cada pessoa tem seu tempo para digerir os tufões que a vida oferece], daí é hora de arregaçar as mangas e partir pra luta.

É fácil? Evidente que não! No entanto, não existe outra atitude possível.

Daí começa uma nova trajetória e que pode ser mais leve se houver a aceitação da mudança de rumo que estava estabelecido até então. A rota da viagem definitivamente mudou…

Mas se a vida é recheada de imprevistos, a mala que cada um carrega é sempre proporcional a musculatura de quem a segura. Pelo menos essa é uma máxima que todo mundo diz!

Será?

Vale a reflexão, todavia, lembre-se de quantas pedras já tirou do caminho e que lhe pareciam com peso e tamanho difíceis de suplantar.

Compreender para melhor enfrentar

Sabe, tem uma frase genial do Guimarães Rosa que diz o seguinte:

“A gente só sabe bem aquilo que não entende.”

O que ele quis dizer, afinal? Que passamos ao largo de muita coisa nesta vida, mas o que nos surpreende, arrebata e merece entendimento porque interfere [e muito !] na nossa vida; ah… isso requer estudo, ou seja, um conhecimento mais profundo sobre o assunto.

Assim foi e continua sendo conosco. Como outras histórias semelhantes, a da APOIE teve início com o abarcar de uma circunstância que certa família sentia na própria pele. Fundada em 1979, temos como braço forte a força de uma mulher que tomou a causa para si e que capitanea o nosso barco com determinação. O inesperado lhe veio aos braços e junto com ele o desafio.

Compreender, estudar e seguir em frente com foco e determinação é a nossa receita de como enfrentar o inesperado. E olha que temos gente valente iniciando a viagem, como a Juliana Jafet que recebeu seu menino Martim e abraçou a causa do transtorno do espectro autista (TEA) e o Henri Zylbrstajn que fundou o Instituto Serendipidade [parceiro da APOIE] com o nascimento do seu filho Pepo.

Se procura um motivo para capitanear a sua própria embarcação com bravura e destemor, se aprofunda no que lhe causa mais incômodo e que aperta o seu sapato, que certamente encontrará a melhor resposta.

Ah, se deseja ver um tanto da nossa genial capacidade de superar o inesperado, basta dar uma voltinha pelo site!

Publicado em 7 comentários

Deficiência – Olhar sem o véu da íris

Na APOIE deficiência não é problema, mas desafio e razão para existir.

Refletir sobre deficiência é para aquela criatura que busca coerência entre o que diz e o que faz. Como enfrentar a dicotomia é a grande questão da sociedade moderna.

Fato é que existe uma larga avenida entre o que somos e como gostaríamos de ser.

O tema que escolhemos faz parte do nosso cotidiano, mas no momento é um dos mais abordados porque a partir do ano de 1963 a APAE instituiu uma semana específica para a diversidade. Ela acontece entre os dias 21 e 28 de agosto e tem como título:” Semana Nacional da Pessoa com Deficiência intelectual e múltipla”.

A verdadeira inclusão

O reconhecimento da nossa própria visão quando diante de uma pessoa com deficiência é sem dúvida o primeiro passo para a inclusão de verdade.

Se nos aceitarmos como humanos e, portanto, dotados de sentimentos e impressões imperfeitas, aí começa o caminho para o verdadeiro sentido da compreensão de quem seja o outro.

Mas de que outro nos referimos? De todo aquele que passa por uma abordagem preconceituosa ou não.

Ainda neste ano, em uma entrevista para o programa Roda Viva da tv Cultura, a jornalista Glória Maria abordou o racismo de forma espetacular. Em sua fala a clareza de que não importam as nomenclaturas [preto ou negro / Excepcional ou pessoa com deficiência intelectual]. Diz ela que isso tudo é pueril, porque o  importante mesmo é a visão diante das diferenças. 

Vale refletir um bocado sobre isso.

Na APOIE deficiência não é problema, mas desafio e razão para existir.

Deficiência e competência

Nascer com algum tipo de deficiência faz parte da nossa condição. Já pensou nisso ou não percebeu nada fora da curva em si mesmo? Não existe perfeição em nenhum de nós e saber-se imperfeito é o primeiro passo para a aceitação das imperfeições do outro.

Muito bem, a partir daí observe as pessoas ao seu redor e veja quanta diversidade. Essa é a grande graça da vida! Rara exceção destinada aos gêmeos univitelinos, não existe ninguém minimamente igual a um outro alguém.

Agora, depois da concientização de que competência nada tem a ver com deficiência, vamos falar do nosso povo, ou seja, das habilidades da turma da Apoie. Um “papo pra mais de metro”, como se diz por aí.

Há muito que a APOIE não deseja que seus produtos sejam adquiridos por outro motivo que não seja excelência e qualidade das suas peças.

Quem produz tudo o que você pode ver no site, em bazares pela cidade, nas mãos de empresários, crianças ou dentro da nossa loja na instituição? Pessoas com deficiência intelectual.

A princípio o Brinde do Terceiro Setor possui um valor de marketing inquestionável, mas se não tiver qualidade de nada valerá. Inclusão de verdade pede que a inserção aconteça de verdade também. Capacidades e talentos não são quesitos de poucos escolhidos, basta reconhecer aptidões e dar treinamento.

Então, a fim de não alongarmos o texto, a Apoie não encara a deficiência como problema. Mais que isso, deficiência é o embrião da sua história e oferecer ferramentas para a sua superação a nossa grande missão.

Quer saber de uma coisa?

VIVA A APOIE!